Informativos

Microtrabalho X Inteligência Artificial

microtrabalho x inteligência artificial

Quando pensamos na Inteligência Artificial (AI) logo associamos às revoluções tecnológicas e facilidades no acesso de informações. Ainda mais esse agrupamento de soluções trazidas pela AI que vêm à nossa mente não está errada. Porém, pesquisadores têm aprofundado seus estudos acerca das novas classes de subempregos gerados em prol do desenvolvimento da AI.

Inicialmente, os primeiros questionamentos em relação ao uso da AI nas diversas áreas da sociedade, eram sobre como a implantação iria afetar as categorias de trabalho existentes. Logo a maior parte das discussões pautavam se estamos nos encaminhando para era robótica com a possível substituição do trabalho humano pelas máquinas.

Mas, ao contrário disso, todo o trabalho realizado pela AI ainda necessita do pensamento e esforço humano. E isso gerou uma nova classe de trabalho, os microtrabalhadores. “Os microtrabalhadores geram dados transcrevendo, corrigindo e categorizando conteúdo, alimentando o aprendizado de máquina ao fornecer informações para os algoritmos identificarem preferências, modelos ou até mesmo tipos de discurso – a base do desenvolvimento da inteligência artificial.“¹

“Tomada de Decisão Baseada em Algoritmos”

Segundo o instituto de pesquisa alemão AlgorithmWatch em sua publicação ‘Atlas de Automação no país’, relatório de Abril. Eles usaram o termo: “Tomada de Decisão Baseada em Algoritmos”, ao invés de Inteligência Artificial, abordando a questão da responsabilidade humana em fornecer dados para os sistemas. Assim a pesquisa foca nos trabalhos repetitivos, realizados por pessoas sem preparo. Grandes empresas como Amazon Mechanical Turk, pagam trabalhadores por tarefas pequenas, como abastecer bancos de dados respondendo a questionários.

Bem como toda essa nova estrutura e forma de trabalho, tem levantado inúmeros questionamentos sobre a AI. Ainda existem muitas dúvidas e vertentes a serem debatidas em prol do uso e aplicação das AI. A busca consiste em verificar a facilidade e melhoria nas atividades de diversas áreas da sociedade. E não uma submissão do trabalho humano que tenta instituir um avanço tecnológico que não engloba o avanço social.

Dessa forma para saber mais sobre esse tema, recomendamos o documentário The Cleaners (de Hans Block e Moritz Riesewieck). Estreou no Brasil em março, e trata do trabalho dos moderadores, que são terceirizados das grandes empresas tecnológicas do Vale do Silício. Acesse o link abaixo e assista o trailer.

 


¹Retirado de: https://www.tecmundo.com.br/mercado/145304-microtrabalho-forca-bracal-humana-tras-inteligencia-artificial.htm

FONTE: Mary Gray – Trabalho fantasma: como impedir o Vale do Silício de construir uma nova subclasse global;

SITES: Tecmundo e Istoé Dinheiro.

WhatsApp chat